Cães são adotados por empresas em Uberaba (MG)

Os cães Gordinho, Postinho e Bob fazem toda a diferença em ambientes de trabalho de Uberaba. Eles foram adotados por empresários e recebem carinho de funcionários, retribuem com alegria e ajudam a cativar clientes.

Bob é um cão da raça poodle cheio de personalidade, comilão e que adora ganhar atenção dos tutores da concessionária de veículos. Um dia ele apareceu debaixo da mesa do empresário Geraldo Amuí.

“Cheguei para trabalhar e este cachorro apareceu. Coloquei ele para fora e ele voltou. Se ele quer ficar aqui, não posso deixar o portão da loja fechada. Levei para dar vacina, banho e passei a cuidar dele e ele acabou ficando funcionário da loja. Só falta crachá e bater ponto”, contou.

O Postinho adora ficar na cama. O cão sem raça definida, que adora uma cama quentinha, é o querido de um posto de combustíveis. Todo dia é assim: ao acordar, sai para dar uma volta e brinca com funcionários e clientes. “Quando eu chego, tem que brincar com ele, dar boa tarde, bom dia”, contou o engenheiro Sílvio Rodrigues.

“É um irmão nosso aqui. A gente chega, encosta a moto e ele já vem encontrar com a gente, quer abraçar e pular. O animal é uma benção. É só alegria”, disse o frentista Baltazer Júlio.

Quando foi adotado pelo dono do posto, Flávio Madeira, o cão estava com fome e doente. “Começamos a cuidar dele. Ficou um dia, dois dias e resolvemos adotá-lo. Ele chegou para alegrar o ambiente”, explicou.

Uma placa na entrada do estabelecimento mostra que é proibido entrar animal, mesmo assim tem um cachorro que vive no mercado, é o Gordinho, sem raça definida e super obediente. “O Gordinho só chega até na porta quando ele está com fome, mas não entra. A gente dá uma comida pra ele e ele volta pra rua de novo. O máximo que ele vem é até a porta só pra avisar que está com fome”, conta Antônio Jaílson Leandro, que é gerente do mercado.

Para o psicólogo Jonathan Mazetti, é fácil de entender a relação entre homens e animais. “Independente do animal que a pessoa escolha ou seja escolhida pelo animal, esse afeto faz muito bem. Estudos mostram que faz bem tanto para a alma quanto para o físico. Um animal precisa de carinho e atenção. A pessoa que trata bem um animal,aprendeu a tratar bem o ser humano”, explicou.

Fonte: G1
Foto: TV Integração / Reprodução

email
Deixe seu comentário: